Notícias

30/11/2018

Projeto de moradias populares é discutido no Conselho Estadual do Idoso

Evento aconteceu na reunião do Conselho Estadual dos Direitos do Idoso e teve a presença de conselheiros representantes de órgãos governamentais e sociedade civil organizada.

O programa Morar Bem Paraná, em sua modalidade de atendimento à Terceira Idade, que são moradias populares para pessoas acima de 60 anos, foi discutido nesta quarta-feira (28) na reunião do Conselho Estadual dos Direitos do Idoso (CEDI).

São seis projetos em andamento em todo Estado e de acordo com o gerente de departamento de programas da Cohapar, Bruno Costa Schroeder, os terrenos para a construção das casas foram doados pelas prefeituras de cada cidade “O projeto poderá ser implementado em todos os municípios paranaenses que possuam acima de 30 mil habitantes, sendo condição básica a prefeitura participar do programa”, explicou.

A funcionária da Cohapar, Corina Alessandra Bezerra Carril Ribeiro, que é uma das representantes da companhia dentro do CEDI, considera a participação da companhia fundamental dentro da instituição “As ações destinadas ao público da terceira idade vão além da acessibilidade. Essa apresentação serviu para sanar as dúvidas dos interessados”, disse.

A reunião que foi aberta ao público, aconteceu no auditório do Hospital Zilda Arns, em Curitiba, e contou com a participação de conselheiros e visitantes.
Os primeiros municípios que estão com projetos em andamento no programa Morar Bem Paraná, na modalidade de atendimento à Terceira Idade, são: Foz do Iguaçu, Jaguariaíva, Irati, Telêmaco Borba, Cornélio Procópio e Piraquara.

O Conselho
O Conselho Estadual dos Direitos do Idoso (CEDI) foi fundado em 1997 com o objetivo de atribuir ações destinadas a pessoas com mais de 60 anos e é composto por 24 membros, sendo 50% representantes do Governo e 50% representantes de organizações não governamentais, ligados à defesa ou ao atendimento ao idoso.

Para a conselheira Fabiana Longhi Viera Franz, representante da Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDS), existe uma necessidade de atuação das politicas públicas pra questão da moradia das pessoas idosas e a criação de condomínios para idosos vai de encontro com as ideias do CEDI “Defendemos a autonomia e o protagonismo da pessoa idosa. Não é porque ela envelheceu que tem que morar com filho ou ser institucionalizada”, relatou.

Participante assídua das reuniões do CEDI, a conselheira representante da APP Sindicato, Maria Adelaide Mazza Correia, deu sugestões para os próximos empreendimentos e elogiou os projeto “É um programa muito importante, pois colabora com a vida social dessas pessoas melhorando não só o aspecto financeiro, mas também o aspecto físico”, disse.
Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem