Notícias Cohapar

17/05/2004

Governo lança Casa da Família Rural e anuncia mais moradias para os índios

O governador Roberto Requião, o vice-governador e secretário estadual da Agricultura e Abastecimento (SEAB), Orlando Pessuti e o presidente Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), Luiz Claudio Romanelli, lançaram nesta segunda-feira (17) o programa Casa da Família Rural e assinaram convênios para a construção de moradias do Casa da Família Indígena, em solenidade no Palácio Iguaçu. A medida faz parte da política agrícola do Governo do Paraná. "O programa da Cohapar está inserido no processo de reorganização da agricultura familiar, atenuando as diferenças sociais da população", disse Requião.

Serão construídas, nessa fase inicial do programa, 1.000 moradias rurais em 52 municípios do estado, destinadas às famílias de agricultores com renda de aproximadamente um salário mínimo. "Aqui no Paraná tem governo, e ele honra os compromissos assumidos na campanha. Estamos mostrando que temos coragem para mudar e competência para fazer", afirmou Romanelli.

A cerimônia teve a presença de prefeitos dos municípios beneficiados, produtores rurais e representantes das comunidades indígenas, deputados estaduais da base do governo na Assembléia Legislativa e secretários de estado. Além das moradias nas propriedades rurais, o governador Requião anunciou a construção de mais 347 unidades, na segunda fase de execução do Casa da Família Indígena, beneficiando índios das etnias kaingang e guarani, que vivem nas reservas em dezessete municípios.

Para Pessuti, o trabalho em conjunto entre secretarias e órgãos de governo vai devolver a dignidade aos pequenos agricultores por meio do programa Vida Melhor no Campo. "Esse dia marca o cumprimento do nosso compromisso de melhorar as condições de vida nas áreas rurais", afirma Pessuti. Os agricultores podem optar pelo financiamento de 72 meses, com prestação de 20% do salário mínimo ou em cinco vezes, em parcelas anuais em equivalência produto (milho). Nesse caso, cada parcela equivale a 50,93 sacas de milho.

A parceria da Cohapar com os municípios está beneficiando a população de diversas localidades. Coronel Vivida é o município que receberá o maior número de moradias rurais (47). Para o prefeito Ivanir Ogliari, de Coronel Vivida, o Casa da Família Rural resolve o problema da precariedade das moradias das pessoas que vivem da agricultura de subsistência. "As condições de financiamento são vantajosas e ajuda a fixar o homem no campo, evitando a migração para os centros urbanos". Outro município beneficiado é Pérola, com 16 unidades. A prefeita Marluci Weiler, de Pérola do Oeste. diz que o programa vai atender famílias muito carentes que vivem em casas sem banheiro, divisórias internas, forro e água encanada. "A segurança, qualidade de vida e auto-estima dessas pessoas vai melhorar", destaca.

O agricultor José Ramos Barbosa deverá receber em breve a casa nova. Morador de Nova Cantu há 28 anos, ele vive em uma casa de madeira com a esposa e três filhos. "Se não tivesse o programa, jamais conseguiria construir uma casa de ´material´", diz. Outro que vai sair do ´aperto´ é Dionísio César, de Chopinzinho. "O projeto da casa é muito bom, e teremos uma vida mais confortável de agora em diante", afirma. As casas do programa têm 52m², com três quartos, sala, cozinha, banheiro, varanda e opção de porão, forradas e cobertas com telhas cerâmicas.

Casa da Família Indígena

O programa, que tem o objetivo de zerar o déficit habitacional entre a população indígena no estado, entra na segunda fase de execução, com a construção de mais 347 unidades em 17 cidades. O investimento médio por unidade é de R$ 10 mil, oriundos dos tesouros do Estado e da União, a fundo perdido. Na primeira fase, a Cohapar executa obras em dez municípios, com 258 unidades. O representante do conselho indígena do Paraná, Antonio Ribeiro, agradeceu o apoio do governador Requião aos índios. "Nunca tivemos o apoio de um governo como este", finaliza.

Municípios beneficiados

Os municípios que receberão as 1.000 moradias do Casa da Família Rural são: Arapuã (15 uds), Ariranha do Ivaí (14), Godoy Moreira (15), Lunardelli (15), Marilândia do Sul (14), Rio Branco do Ivaí (15), Rosário do Ivaí (16), São Pedro do Ivaí (9), Catanduvas (25), Guaraniaçu (29), Lindoeste (12), Três Barras do Paraná (44), Mariluz (10), Nova Cantu (15), Peabiru (24), Roncador (57), Ubiratã (21), Cambará (32), Carlópolis (25), Ribeirão do Pinhal (28), Agudos do Sul (7), Morretes (22), Ampére (17), Chopinzinho (33), Coronel Vivida (47), Flor da Serra do Sul (26), Nova Prata do Iguaçu (17), Pérola do Oeste (16), Pranchita (14), São Jorge do Oeste (22), Saudade do Iguaçu (11), Cândido de Abreu (30), Laranjeiras do Sul (17), Nova Laranjeiras (32), Nova Tebas (21), Palmital (16), Pinhão (13), Santa Maria do Oeste (17), Pitangueiras (9), Rolândia (15), Ângulo (10), Doutor Camargo (12), Paranacity (15), Fernandes Pinheiro (14), Teixeira Soares (13), Wenceslau Braz (19), Nova Londrina (6), Paraíso do Norte (7), Douradina (11), Pérola (19), Tapira (22) e Cruz Machado (15).
O Casa da Família Indígena entra na segunda fase de implantação, com a construção de 347 unidades em dezessete cidades. Receberão moradias os municípios de Palmas (25 uds), Chopinzinho (24), Manguerinha (16), Coronel Vivida (5), Nova Laranjeiras (50), Espigão Alto do Iguaçu (5), São Miguel do Iguaçu (10), Diamante do Oeste (5), Turvo (19), Inácio Martins (14), Manoel Ribas (24), Cândido de Abreu (10), Ortigueira (25), Tomazina (10), Santa Amélia (25), São Jerônimo da Serra (40) e Tamarana (40).
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.